A EDUCAÇÃO DE ADULTOS NUM CONTEXTO DE TRANSFORMAÇÃO ESTRUTURAL DAS POLÍTICAS EDUCATIVAS

João Eduardo Martins

Resumo


Procura-se neste artigo contribuir com uma reflexão sociologicamente apoiada na análise científica das políticas públicas de educação de adultos que vem sendo realizada em Portugal ao longo das duas últimas décadas, para problematizar alguns dos principais desafios que se colocam à atividade de quem exerce o seu trabalho na educação e formação de adultos pouco escolarizados. Inspirados nos resultados de investigação da nossa tese de doutoramento e sobre alguns dos principais trabalhos científicos sobre as políticas públicas do Programa Novas Oportunidades, um momento importante do investimento Estatal e do voluntarismo político vigente ao longo deste período neste campo de práticas educativas, problematizamos alguns dos principais desafios a partir dos quais vamos defender o nosso ponto de vista. O exercício de uma prática educativa que tem lugar num contexto do novo paradigma hegemónico da “aprendizagem ao longo da vida” coloca um conjunto de provações fundamentais ao ofício de educador de adultos.


Palavras-chave


Educadores de adultos. Políticas educativas. Reconfiguração do Estado. Emancipação social.

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referências


ABRANTES, P. A escola da vida. socialização e biografias da classe trabalhadora. Lisboa. Mundos Sociais, 2013.

AFONSO, A.J. Estado, globalização e políticas educacionais: elementos para uma agenda de investigação. Revista Brasileira de Educação, n.22, p.35-46, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n22/n22a05.pdf. Acesso em: 20 mai.2019.

ASTIER, I. “L’irruption de l’individu concret dans le service public: du travail sur autrui au travail avec autrui”. Comunicação apresentada nas IX Journées de Sociologie du Travail, 27-28 Novembre 2003, Paris. (não publicado)

BALSA, C. Estado poiético, autopoiesis e agir poiético – a coordenação em rede das políticas de desenvolvimento social em Portugal como instrumento de luta contra a pobreza. In: GENNARI, A.M.; ALBUQUERQUE, C.M.P. Políticas públicas e desigualdades sociais – debates e práticas no BRasil e em Portugal, Ed. Cultura Académica, Série, Relações Internacionais e Mundo Contemporâneo, Capítulo IV, São Paulo, 2012.

BARROS, R. As políticas educativas para o sector da educação de adultos em portugal. as novas instituições e processos educativos emergentes entre 1996-2006. Lisboa: Chiado Editora, 2013.

BARROS, R. Políticas para a educação de adultos em portugal. a governação pluriescalar da “nova educação e formação de adultos” (1996-2006). Volume I e II. Braga: Universidade do Minho (tese de doutoramento, não publicada), 2009. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/10239. Acesso em: 15 Dez.2009.

BAUMAN, Z. A europa líquida. Funchal: Nova Delphi, 2013.

BECK, U. A europa alemã – de maquiavel a “merkievel”: estrtégias de poder na crise do euro. Lisboa: Edições 70, 2013.

BECK, U. Risk society: towards a new modernity, Londres. Newbury Park e Nova Deli: Sage Publications, 1992.

BELL, D. The world and the united states in 2013. Daedalus, 116 (3), 1-31, 1987.

BELL, D. Vers la société pós-industrielle. Paris. Laffont, 1976.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, E. Le nouvel esprit du capitalisme. Paris. Éditions Gallimard, 1999.

BOURDIEU, P. (Org.) La misère du monde. Paris. Seuil, 1993.

BOURDIEU, P. La distintion. Paris: Les Édition de Minuit, 1979.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J-C. La reprodution. eléments pour une théorie du système d’enseignement. Paris: Les Édition de Minuit, 1970.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J-C. Les héritiers. les étudiants et la culture. Paris: Les Édition de Minuit, 1964.

CANÁRIO, R. Aprender Sem Ser Ensinado. A importância estratégica da educação não formal. In: Lima, L. et al. A educação em Portugal (1986-2006): alguns contributos da investigação. Sociedade Portuguesa de Ciências de Educação, 2006.

CANÁRIO, R. O que é a escola? um “olhar” sociológico. Porto. Porto Editora, 2005.

CAPUCHA, L. Educação de adultos: a ideologia conta. Forum Sociológico, 2018. Disponível em: : http://journals.openedition.org/sociologico/1938. Acesso em: 14 Out. 2019

CASTEL, R.; HAROCHE, C. Propriété privée, propriété sociale, propriété de soi. Entretiens sur la constrution de l’individu moderne. Paris: Fayard, 2001.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. Volume I, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

COSTA, A.F.; LOPES, J.T.; CAETANO, A. (orgs.). Percursos de estudantes no ensino superior. fatores e processos de sucesso e insucesso. Lisboa. Editora Mundos Sociais, 2014.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação, Sociedade e Culturas, 16, 133-169, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v25n87/21464.pdf. Acesso em: 1 Ago. 2004.

DALE, R. Specifying globalization effects on national policy: a focus on the mechanisms. Journal of Education Policy, 14 (1), pp. 1-17, 1999. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/026809399286468?needAccess=true. Acesso em: 10 Nov. 2010.

DIRECÇÃO GERAL DE ESTATÍSTICAS DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Desigualdades socioeconómicas e resultados escolares. Terceiro Ciclo do ensino público geral. Lisboa: DGEEC, 2016a.

DIRECÇÃO GERAL DE ESTATÍSTICAS DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Desigualdades Socioeconómicas e resultados escolares II. Segundo ciclo do ensino público geral. Lisboa: DGEEC, 2016b.

DUBET, F. Le déclin de l’institution. Paris: Éditions du Seuil, 2002.

FREIRE, P. Conscientização. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Porto: Edições Afrontamento, 1972.

GIDDENS, A. Sociologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013.

GIROUX, H. Contra o terror do neoliberalismo. A Política para além da era da ganância. Edições Pedago, 2011.

HASSENTEUFEL, P. Sociologie politique: L’Action Publique. Paris: Armand Colin, 2008.

JERÓNIMO, H.M.; NEVES, J. O intelectual de retaguarda. Análise Social, 204, XLVII (3º), 2012. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/AS_204_f01.pdf. Acesso em: 1 Jul. 2012.

LYON, D. A sociedade da informação: problemas e perspectivas. Oeiras: Celta Editoras, 1992.

MARTINS, J.E. Das políticas às práticas de educação de adultos. lógicas de acção, sentidos e modos de apropriação localmente produzidos. Lisboa: Edições Colibri, 2014.

MARTINS, J.E. O Estado social ativo: Um novo paradigma legitimador das políticas públicas em Portugal, Revista Crítica de Ciências Sociais, 108 | 2015, 157-174. Disponível em: URL : https://journals.openedition.org/rccs/pdf/6150. Acesso em: 14 Out. 2019.

MARTUCCELLI, D. Forgé par l’épreuve. L’individu dans la France contemporaine. Paris: Armand Colin, 2006.

MELO, A. A ausência de uma política de educação de adultos como forma de controle social e alguns processos de resistência. Texto policopiado, 2003.

QUINTAS, H. Educação de adultos: vida no currículo e currículo na vida (tese de doutoramento). Lisboa. Agência Nacional Para a Qualificação (ANQ) – eBook, 2008.

SANTOS, B. S. (Org.) Globalização: fatalidade ou utopia? Porto: Edições Afrontamento, 2001.

SOULET, M-H. Confiança e capacidade de acção- agir em contexto de in-quietude. In: BALSA, C. M. Confiança e Laço Social, Lisboa, CEOS – Investigações Sociológicas: Edições Colibri, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.